What is the necessity of white power groups? – O que é a necessidade de grupos de poder branco?

What is the necessity of white power groups?

American and Brazilian billionaires
Bilionários americanos e brasileiros


Joseph Safra, Donald Bren


Jorge Paulo Lemann, Henry Ross Perot


George Soros, Aloysio de Andrade Faria

I have always questioned the necessity and ideologies of White Power groups. The people who join these types of groups seem to think that because there are non-white organizations that represent the interests of non-white people, there should also be groups that advocate for the interests of white people. I don’t understand this logic. There already exist groups that advocate for white people: government, business, real estate companies, financial institutions, the media, etc. The list goes on and on. The power structure of the entire world is created by white people for white people. In the areas of business, government, science, finances and many other areas, people of European ancestry and/or appearance continue to dominate these spheres of power. In North America and many Latin American countries, the power structure is represented by people who look as if their ancestors are from Western Europe. Whiteness continues to be the standard of beauty, power, middle-class status and even humanity. So what is the White Power movement really about?

It appears that some white people actually believe that modest gains achieved by minority groups are a threat to white supremacy. There were the American Civil Rights and Black Power Movements of the 1960s and 1970s that many seem to believe improved the lives of all African-Americans. But realistically, while these movements improved the lives of many individual black people, 40 years later, the overall situation of African-Americans as a group has not changed. Black children still attend inferior schools, black wealth is about one-tenth the wealth of whites, and reports still prove that discrimination, racism and underrepresentation affect the lives of African-Americans. OK, a black man is the president of the most powerful country in the world, but he too is an individual; an individual who must protect the interest of a capitalist system that is maintained and operated by white people. African-Americans are not the owners of any major enterprise that would cause the world to collapse. Afro-Brazilians are in a similar position as a whole and there are far fewer individual Afro-Brazilians that have some type power or influence in Brazil.

The Civil Rights, Black Power (America) and Unified Black (Brasil) Movements were and are social movements that arose as a response to racist systems to secure the rights of full citizenship for populations that were and are systematically denied these rights. Since the colonization of the Americas, what rights and representation have been systematically denied from whites as a group and were based on the question of race? If anything, racial privilege has guaranteed white rights.

Affirmative Action policies and the rise of Barack Obama are being blamed for the rise in insecurity, outrage and acts of violence by white supremacists in the United States. There is also a fear of the inevitable majority status of non-whites in the United States within the next 40 years. In Brazil, affirmative action policies initiated at the beginning of the 21st century have sparked heated debates about race in a country that has always denied the existence of racism and where a dialogue and debate about the issue of race has only recently begun. Affirmative action policies in the United States have existed for four decades and it was only recently that protests against these policies have led to the end of such programs in some institutions of higher learning. In Brazil, affirmative action has lasted less than a decade and already there have been actions to reverse these policies.

Let me make one point. Screams of black power and white power are not the same thing. Black power is a declaration that black people want to have some control over their own destiny and a future for their children in societies where they have been denied access. Although there have been a few black groups that could be described as racist, two of Black Power’s most vocal advocates, the Black Panthers and Malcolm X at the end of his life, preached solidarity with other groups to achieve an end to inequality and racial oppression. White Power groups, on the other hand, usually preach white superiority, racial purity and the elimination of other racial groups. And there is one fact that ultimately makes screams of White Power sound ridiculous: White people already have the power. And this is not meant to initiate any racial antagonism; it’s a simple fact.

O que é a necessidade de grupos de poder branco?

Sempre tenho questionei a necessidade e ideologias de grupos de poder branca. As pessoas que se juntem a estes tipos de grupos parecem pensar que porque existem organizações não-brancos que representam os interesses de gente não-branca, deveria ser também grupos que defendem os interesses das pessoas brancas. Eu não entendo essa lógica. Já existem grupos que advogam para gente branca: governo, negócios, empresas imobiliárias, instituições financeiras, a mídia, etc. A lista continua. A estrutura de poder do mundo inteiro é criado por pessoas brancas para pessoas brancas. Nas áreas de negócios, administração, ciências, finanças e muitas outras áreas, as pessoas de ascendência e/ou aparência europeia continuam a dominar estas esferas de poder. Na américa do norte e nos muitos países latino-americanos, o estrutura de poder é representada por pessoas que aparecem como se os seus antepassados são da Europa Ocidental. Brancura continua a ser o padrão de beleza, poder, status de classe média e até mesmo a humanidade. Então, o movimento poder branca é realmente sobre o que?

Parece que algumas pessoas brancas realmente acreditam que ganhos modestos realizaram pelos grupos minoritários são uma ameaça à supremacia branca. Havia os Movimentos dos Direitos Civis e Poder Negra dos anos 1960 e 1970 que muitos parecem acreditar melhorou a vida de todos dos afro-americanos. Mas, realisticamente, enquanto estes movimentos melhoraram as vidas de muitas pessoas negras individuais, 40 anos depois, a situação no geral dos afro-americanos como um grupo não mudou. Crianças negras ainda freqüentam escolas inferiores, riqueza negra é de cerca de um décimo da riqueza dos brancos, e relatórios continua provar que a discriminação, racismo ea subrepresentação afetam as vidas dos afro-americanos. Certo, um homem negro é o presidente do país mais poderoso do mundo, mas ele também é um indivíduo, um indivíduo que tem de proteger o interesse de um sistema capitalista que é mantido e operado por gente branca. Afro-americanos não são os proprietários de qualquer grande empresa que ia causa o mundo que fracassar. No geral, afro-brasileiros estão em uma posição semelhante e há muito menos indivíduos afro-brasileiros que têm algum tipo de poder ou influência no Brasil.

Os movimentos Direitos Civis, Poder Negra (América) e Negro Unificado (Brasil) foram e são movimentos sociais que surgiram como uma resposta aos sistemas racistas para garantir os direitos integrais de cidadania para as populações que foram e são sistematicamente negados estes direitos. A partir da colonização das Américas, quais direitos e representação terem sido sistematicamente negada aos brancos como um grupo e foram baseadas na questão racial? Se qualquer coisa, privilégio racial tem garantido os direitos brancos. As políticas de ações afirmativas e a ascensão de Barack Obama estão sendo responsabilizados pelo aumento da insegurança, indignação e atos de violência por supremacistas brancas nos Estados Unidos. Há também um medo do inevitável condição de maioria dos não-brancos nos Estados Unidos dentro dos próximos 40 anos. No Brasil, as políticas de ação afirmativa iniciadas no início do século 21 tem instigados debates acalorados sobre raça em um país que sempre negou a existência de racismo e onde um diálogo e debate sobre a questão da raça só recentemente começou. Políticas de ação afirmativa nos Estados Unidos ter existido por quatro décadas e foram apenas recentemente que os protestos contra estas políticas resultaram ao fim desses programas em algumas instituições de ensino superior. No Brasil, a ação afirmativa tenha durado menos de uma década e já havia sido ações para inverter estas políticas.

Deixe-me faça um ponto. Gritos de poder negro e poder branco não são a mesma coisa. Poder Negro é uma declaração que a população negra deseja ter algum controle sobre seu próprio destino e um futuro para seus filhos em sociedades onde eles têm sido negado o acesso. Embora havido alguns grupos negros que podem ser descritas como sendo racista, dois dos mais sincero defensores do poder negro, os Black Panthers e Malcolm X no final de sua vida, pregou a solidariedade com outros grupos para atingir um fim a desigualdade ea opressão racial. Grupos de poder branco, por outro lado, geralmente pregam superioridade branca, pureza racial e a eliminação de outros grupos raciais. E há um fato que finalmente torna gritos de poder branco soar ridículo: a gente branca já têm o poder. E não é a intenção a iniciar qualquer antagonismo racial; é um fato simples.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: