Black on black racism – O racismo do negro contra o negro


(left) Elza da Conceição dos Santos and daughter Fernanda
(esquerdo) Elza da Conceição dos Santos e a sua filha Fernanda

(right) E. Curtissa Cofield
(direito) E. Curtissa Cofield

For many years there has been a debate about the situation of blacks in the Western world. Some believe that the situation of blacks is due to slavery, covert and overt institutional racism that continues to deprive blacks of the opportunities reserved for their white counterparts. Others believe that blacks have the same opportunities as whites and that blacks themselves should be blamed for their inferior social position.

Regardless of which view a person believes to be correct, there is one thing that I believe to be true. After centuries of mistreatment, exclusion, objectification and imposed inferiority, many blacks themselves have internalized anti-black sentiments and self-hatred. I have seen this type of behavior throughout my life. Black people that hate things that are associated with black people. Some black people hate the natural texture of black people’s hair. Others hate extremely dark skin. This list goes on and on.
Last week in the city of Vitoria (located in the southeastern Brazilian state of Espirito Santo), a black domestic worker, Elza da Conceição dos Santos, was arrested and thrown in jail for the crime of racism. Dos Santos was accused of insulting a bus driver, also black, when she allegedly said, “Only a black could do something like this”. Dos Santos was irritated because the bus was already overcrowded and the bus driver continued to pick up passengers. According to dos Santos’s daughter, Fernanda, her mother’s words were misunderstood. According to Fernanda, her mother said, “with those black glasses on you can’t see what’s going on”, referring to the dark glasses that the driver wore. In Brazil, the phrase “It could only have been a black” is considered to be racist and highly offensive. A cook who also rode the bus testified in favor of the driver about dos Santos said. Dos Santos ended up spending three days in jail because of the incident.
In a separate incident that happened in Glastonbury, Connecticut (located in the northeast of the United States) in October of 2008, a black judge, E. Curtissa Cofield, was recorded continuously insulting a police sargeant, Dwight Washington, also black, with racially pejorative terms. Washington asked Cofield questions during the processing of Cofield on the charge of drunk driving. During the processing, Cofield referred to Washington as “negro” and “nigger”, and when asked if she needed any medication, Cofield said she needed “anti-negro” because she was suffering from “negro-itis”.
These situations remind me of a guy I knew many years ago. When all of us were working, this guy would continuously refer to another guy as a “monkey”. He would draw a picture of a monkey on a cardboard box and write the other guy’s name under the drawing. Both of the guys were black. In the history of America and Brazil, the term monkey has always been used by whites as a pejorative term against blacks. What is sad is that this type of racist oppression is sometimes used by blacks against other blacks in a classic case of a black-on-black racism. This behavior is common in Brazil also. A black Brazilian woman described to anthropologist Jennifer J. Manthei the difference between a “mulata” and a “negra”. Using herself as an example, the woman said that when she is pretty, she is a “mulata”, when she is ugly, or a “real monkey” she is negra.

This is a shame.

In the case of dos Santos, it is impossible to really know what she said but, after being released from prison she said, “It was not racist. It could not be because I adore people of my color.” In the case of Cofield, the evidence can be heard in the video. Evidence or a lack of evidence doesn’t really matter. Black self-hatred is a reality. There are black people who say they love other black people but also hate blacks with very dark skin. There are those type of blacks who prefer blacks with lighter skin. There are black people that like brown and dark skin but hate nappy hair. As I have written previously, beauty standards in the black community also follow a European standard, thus the lighter the skin, the less curly the hair, the more attractive. Maybe this is what Malcolm X meant when he said that “We cannot think of being acceptable to others until we have first proven acceptable to ourselves”.
Por muitos anos havido sido um debate sobre a situação dos negros no mundo ocidental. Alguns acreditam que a situação dos negros é devido à escravidão, racismo institucional, encoberta e aberto, que continua a privar os negros das oportunidades reservadas para os seus contrapartes brancas. Outros acreditam que os negros possuem as mesmas oportunidades como os brancos e que o negro deve ser responsabilizados por sua posição social inferior.
Independentemente da opinião que uma pessoa acredita estar correto, há uma coisa que eu creio ser verdade. Depois de séculos de maus tratos, exclusão, objetivação e inferioridade imposto, muitos negros têm interiorizado sentimentos anti-negro e de auto-ódio. Já vi este tipo de comportamento em toda a minha vida. Os negros que odeiam as coisas que estão associados à população negra. Alguns negros odeiam a textura natural do cabelo do negro. Outros odeiam pele muita escura. E a lista prosseguia.
Na semana passada, na cidade de Vitoria, Espírito Santo, uma empregada doméstica negra, Elza da Conceição dos Santos, foi presa pelo crime de racismo. Dos Santos foi acusada de insultar um motorista de ônibus, também negro, quando ela teria dito, “Só podia ter sido um preto para fazer uma coisa dessas “. Dos Santos foi irritado porque o ônibus já estava superlotado e o motorista do ônibus continuou a pegar passageiros. De acordo com a filha de dos Santos, Fernanda, as palavras de sua mãe foram mal interpretados. De acordo com Fernanda, sua mãe disse, “Você fica aí com esse óculos preto e não vê o que esta acontecendo aqui?”, referindo-se aos óculos escuros usado pelo motorista. No Brasil, a frase “Só podia ter sido um preto para fazer uma coisa dessas” é considerado racista e muito ofensivo. Um cozinheira que também andava a ônibus testemunhou em favor do motorista sobre o que dos Santos disse. Dos Santos acabou por passando três dias na cadeia por causa do incidente.
Em um incidente separado que aconteceu em Glastonbury, Connecticut (localizada na nordeste dos Estados Unidos) em outubro de 2008, uma juiz negra, E. Curtissa Cofield, foi gravada insultando continuamente um sargento policial, Dwight Washington, também negro, com termos raciais pejorativos. Washington perguntou a Cofield questões durante o processamento dela sobre a acusação de dirigir alcoolizado. Durante o processamento, Cofield se refere a Washington como “negro” e “nigger”, e quando perguntado se ela precisou de qualquer medicação, Cofield disse que ela precisava “anti-negro”, porque ela estava sofrendo de “negro-ITE”.
Estas situações me lembrar de um cara que eu conheci há muitos anos. Quando todos nós estavam trabalhando, o cara ia continuamente se refere ao outro cara como um “macaco”. Ele iria desenhar uma foto de um macaco em uma caixa de papelão e escreva o nome do outro cara no de baixo do desenho. Ambos os rapazes eram negros. Na história da América e do Brasil, o termo macaco sempre foi usado pelos brancos como um termo pejorativo contra negros. O que é triste é que este tipo de opressão racista é as vezes utilizado por negros contra outros negros em um caso clássico O racismo do negro contra o negro. Esse comportamento é comum no Brasil também. Uma mulher negra brasileira descreveu a antropóloga Jennifer J. Manthei a diferença entre uma “mulata” e uma “negra”. Utilizando ela mesma como um exemplo, a mulher disse que, quando ela é bonita, ela é uma “mulata”, quando ela é feia, ou um “verdadeiro macaco” ela é negra.

Isto é uma vergonha.

No caso da dos Santos é impossível saber o que ela disse, mas, depois de ter sido libertado da prisão, ela disse, “Não era racista. Não poderia ser porque eu adoro as pessoas da minha cor.” No caso de Cofield, a prova pode ser ouvida no vídeo. Prova ou falta de prova realmente não importa. Auto-ódio do negro é uma realidade. Há pessoas negras que dizem amar outros negros, mas também odeiam negros com pele muita escura. Há aqueles tipos de negros que preferem negros de pele clara. Há pessoas que gostam de pele marrom e escura, mas odeia cabelo pixaim. Como tenho escrito anteriormente, as padrões da beleza na comunidade negra também seguem um padrão europeu, assim, quanto menos escura a pele, quanto menos o cabelo crespo, quanto mais atraente. Talvez isto é o que Malcolm X queria dizer quando afirmou que “Não podemos pensar em ser aceitáveis para os outros até que tenhamos provado primeiro aceitáveis para nós”.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: