Race and Socioeconomic Inequality/Raça e desigualdade socioeconômica

According to science, “race” does not exist. In other words, there is no way to analyze a person’s genes and determine their racial classification. It is also possible for a white person from Columbia to be more genetically similar to a black Columbian than with another white person from Canada. It is also true that if “race” doesn’t exist, “mixed race” also does not exist. As I have argued previously, “race” is about privileges and penalties. In countries like Brazil and America, people who have a European phenotype have more advantages than people with non-European phenotypes. If privileges and penalties are the basis of “race”, socioeconomic statistics are perhaps the best proof of this. In Brazil and America, the socioeconomic position of Afro-Brazilians and African-Americans are consistently worse than that of white Americans and white Brazilians. For instance, 33.2% of black Brazilians live below the line poverty, in comparison to 14.5% of white Brazilians. In the US, 24.5% of black Americans live below the line of poverty in comparison to 8.2% of white Brazilians. The differences are almost 19% and more than 16% respectively. The same inequalities can be noted in regards to income.

In America, here are the statistics of weekly income for black, white, men and women:

White Men: $788
White Women: $626
Black Men: $600
Black Women: $533

In Brazil, income is measured monthly and here are the corresponding statistics:

White Men: R$1,181
White Women: R$ 742
Black Men: R$ 583
Black Women: R$ 383

These inequalities can also be noted in terms of access to college education. The inequalities in education between blacks and whites have roots in the era of slavery in both countries and the disparities are still evident.

Percentage of Americans over the age of 25:

who have completed a college education: 24.4%
with a college education that are white: 84%
with a college education that are black: 4.5%

Percentage of Brazilians over the age of 25:

who have completed a college education: 6.8%
with a college education that are white: 82.8%
with a college education that are black: 14.3%

Population (2000)

America: 281,421,906 – 75.1% white, 12.3% African-American
Brazil: 169,872,856 – 53.7% white, 44.7% Afro-Brazilian

In both countries, more than 4 of every 5 persons who have a college education are white. In America the percentage is 84% and in Brazil it is almost 83%. Although these statistics show a wide disparity between blacks and whites in both countries, the difference is perhaps more apparent in Brazil because the Afro-Brazilian population in the year 2000 represented almost 45% of the Brazilian population while African-Americans represented only 12.3% of the American population. These statistics are the basis for my previous argument that a system of affirmative action must consider the effects of race rather than simply class when the discussion is access to a college education.

Segundo ciência, a “raça” não existe. Em outras palavras, não existe alguma maneira de analisar os genes de uma pessoa e determinar sua classificação racial. Também é possível que uma pessoa branca de Columbia ser mais semelhantes geneticamente a um negro colombiano do que com outra pessoa branca do Canadá. É verdade também que se “raça” não existe “, “raça mista” também não existe. Como já defendi anteriormente, “raça” é sobre privilégios e penalidades. Em países como o Brasil e a América, pessoas que têm fenótipos europeus têm mais vantagens do que as pessoas com fenótipos não-europeus. Se privilégios e as penalidades são a base da “raça”, estatísticas socioeconômicas são talvez a melhor prova disso. No Brasil e na América, a posição socioeconômica dos afro-brasileiros e afro-americanos são consistentemente piores do que a dos brancos americanos e brancos brasileiros. Por exemplo, 33,2% dos negros brasileiros vivem abaixo da linha da pobreza, em comparação com 14,5% dos brasileiros brancos. Nos EUA, 24,5% dos negros americanos vivem abaixo da linha de pobreza em comparação com 8,2% dos brancos americanos. As diferenças são quase 19% e mais de 16%, respectivamente. As mesmas desigualdades podem ser anotados no respeito dos rendimentos.
Na América, aqui estão as estatísticas do rendimento semanal para negros, brancos, homens e mulheres:

América

Homens Brancos: $788
Mulheres Brancas: $626
Homens Negros: $600
Mulheres Negras: $533

No Brasil, o rendimento é medido mensalmente e aqui estão as estatísticas correspondentes:

Brasil

Homens Brancos: R$1,181
Mulheres Brancas: R$ 742
Homens Negros: R$ 583
Mulheres Negras: R$ 383

Estas desigualdades também pode ser observado em termos de acesso à educação superior. A desigualdade na educação entre negros e brancos têm raízes na época da escravidão nos dois países e as disparidades são ainda evidentes.

Porcentagem dos americanos com mais de 25 anos:

com educação superior: 24,4%
com educação superior que são brancos: 84%
com educação superior que são negros: 4,5%

Porcentagem dos brasileiros com mais de 25 anos:

e educação superior: 6,8%
e educação superior que são brancos: 82,8%
e educação superior que são negros: 14,3%

População (2000)

América: 281,421,906 – 75,1% branco, 12,3% afro-americano
Brasil: 169,872,856 – 53,7% branco, 44,7% afro-brasileiro

Em ambos os países, mais do que 4 de cada 5 pessoas que tem uma educação universitária são brancos. Na América o percentual é 84% e no Brasil é quase 83%. Embora estas estatísticas revelam uma grande disparidade entre negros e brancos em os dois países, a diferença é talvez mais evidente no Brasil porque a população afro-brasileira no ano de 2000 representou quase 45% da população brasileira, enquanto afro-americanos representaram apenas 12,3% da população americana. Estas estatísticas são a base para a minha anterior argumento de que um sistema de ação afirmativa deve considerar os efeitos da raça em vez de simplesmente classe quando a discussão é o acesso a uma educação universitária.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: