Archive for the ‘Racismo no Brasil’ Category

Racism, Images and Stereotypes/Racismo, Imagens e Estereótipos

October 8, 2008

Photos/Fotos: top to bottom/de cima para baixo

Maria Augusta Arruda, Hédio Silva, TJ Holmes, Shavar Jeffries.

Many white Americans and Brazilians continue to believe that blacks should stop complaining because racism, discrimination and exclusion are not problems anymore. In America, people believe that affirmative action and the existence of prominent blacks means that race is not a major factor in today’s America. In Brazil, citizens have believed for many years that racism didn’t exist, and because of this, recent affirmative action policies are not necessary. What people never seem to understand is that the problem of racism is not always an issue of racial violence or blatant discrimination. One of the main factors that creates a sense of rage in anyone who has experienced it, is the image of the African descendent in the psyche of society.

There are many examples of these images and stereotypes.


Recently, Maria Augusta Arruda, a professor at the State University of Rio de Janeiro, was given a $20,000 prize for the study, “NADPH oxidase activity in inflamatory response, vascular illnesses and cancer.” The award was presented to her at the Copacabana Palace, a luxurious hotel where months previously she was denied entrance because someone mistook her for Samba dancer*. Lawyer Hédio Silva never understood why every flight attendent would speak to him in English when he took domestic flights in Brazil. Soon he understood. For Brazilian society, if a black man is on an airplane, he must be a black American.

In America, similar stereotypes affect blacks. CNN journalist TJ Holmes explained recently that when a man saw him washing his expensive truck, he automatically assumed that Holmes was a football player. Similarly, Shavar Jeffries, a law professor, says that he is often mistaken to be a basketball player.

People often argue that the existence of poor whites means that racism doesn’t exist. There are two problems with this argument. Afro-Brazilians and African-Americans are three times more likely to be poor than whites. If a poor white person overcomes poverty and attains middle class status, it is not surprising. When blacks achieve middle class status, people automatically assume that he or she must be an athlete, entertainer or drug dealer. Regardless of the actual situation, the association of whiteness with wealth and power and blackness with poverty and misfortune remain the same.

* – In Brazil, the Samba dancer stereotype is somewhat similar to the rap video vixen in the US.

Muitos brancos americanos e brasileiros continuam a acreditar que negros deveriam parar de reclamar porque o racismo, a discriminação e a exclusão não são mais problemas. Na América, as pessoas acreditam que a ação afirmativa e a existência de negros proeminentes significa que raça não é um fator importante na situação da América de hoje. No Brasil, os cidadãos têm há muitos anos acreditavam que o racismo não existia, e por causa disto, as recentes políticas de ações afirmativas não são necessárias. O que as pessoas nunca parecem compreender é que o problema do racismo não é sempre uma questão de violência racial ou de flagrante discriminação. Um dos principais fatores que criam uma sensação de raiva para alguém que viveu ele, é a imagem do afrodescendente na psique da sociedade.
Há muitos exemplos destas imagens e estereótipos.
Recentemente, Maria Augusta Arruda, uma professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, ganhou um prémio de $20,000 para o estudo “Atividade NADPH Oxidase na resposta inflamatória, doenças vasculares e câncer.” O prémio foi entregue a ela na Copacabana Palace onde meses atrás ela foi negada entrada porque alguém a confundiu com uma mulata de escola de samba. Advogado Hédio Silva nunca entendi por que todos as comissárias ia falar com ele em Inglês quando ele levantou vôos domésticos no Brasil. Logo ele compreendeu. Para a sociedade brasileira, se um homem negro está num avião, ele deve ser um negro americano.
Na América, estereótipos similares afetam os negros. Jornalista de CNN, TJ Holmes explicou recentemente que quando um homen o viu lavando seu carro caro, ele assume automaticamente que Holmes foi um jogador de futebol americano. Do mesmo modo, Shavar Jeffries, um professor de direito, diz que ele é frequentemente confundido a ser jogador de basquete.
Muitas vezes as pessoas agumentam que a existência de brancos pobres significa que o racismo não existe. Há dois problemas com este argumento. 1. Afro-brasileiros e afro-americanos são três vezes mais provável de serem pobres do que brancos. Se uma pessoa branca pobre supera a pobreza e atinge a status classe média, não é surpreendente. Quando os negros atingim status classe média, automaticamente as pessoas assumem que ele ou ela deve ser um atleta, animador ou traficante. Independentemente da situação real, a associação de brancura com riqueza e poder e negrume com a pobreza e infortúnio permanecem os mesmos.

"Either a society is racist or it is not"/ "Ou a sociedade é racista ou não é racista"

March 19, 2008
“Either a society is racist or it is not” – Frantz Fanon
Since about the year 2000, I have comparatively analyzed racial politics in America and Brazil. I have also read and participated in online forums and discussion communities where people share their opinions on various topics. The opinions that I have developed over the years represent a combination of influences from everyday people to well-known college professors. Some of my postings on this blog are meant to be read as separate pieces of a common theme while others are works that will be continued over the course of several days or months.

To start this essay, I would like to respond to a few of the e-mails and postings that have piqued my interest or demanded a response. One reader from Argentina posted a response (entitled “A response to Mr. Mark Wells”) to one of my past essays in the forum column in December of 2004. I will briefly cite a few of his arguments (in italics) and then offer my responses.

“although there is racism and stereotypes of the blacks as lazy or criminals, there is undoubtedly less racism in Brazil or Latin America in its totality than in the U.S., and yourself know why: there never in Latin America, as far as I remind, something like the Ku Klux Klan, nor Skinhead neo-nazis. There are not here mass beatings of blacks as there were in the U.S. time ago.”
This is a common opinion that I find posted all over Brazilian-based internet and magazine “letters to the editor” columns as well as right here in the BRAZZIL forum column. Brazilians, as well as non-Brazilians often point to America’s violent racist past to justify the belief that Brazil is a more harmonious society. First of all, no one can deny the violence of past and present American society, but my comparisons are based on Brazil and America of the present with intent of further analysis and interpretation of the facts from a Brazilian historical context. I would argue two things.

While (acknowledged) racial violence and mass Civil Rights movements existed in the US and on a (seemingly) smaller scale in Brazil, I would argue that people of African descent in the United States and Brazil today in many ways still occupy the same positions in their respective countries. I say acknowledged because while no one can deny that racist violence is a part of American history, there seems to be a denial of its very existence in the history of Brazil. Brazilian historians have written extensively about racial violence in Brazil but Brazilians continue to believe that slavery and the post-abolition lives of Brazilians of African descent were much better than in the US. Donna Goldstein points out that while Brazilian social scientists have written extensively about racial imbalances in Brazilian homicide rates, “they have been extremely cautious about proposing race as a determining or causal factor”[1] using the example of an essay by Luis Eduardo Soares, Cláudia Milito and Hélio R.S. Silva entitled “Homicídios Dolosos Praticados Contra Crianças e Adolescentes no Estado do Rio de Janeiro-1991 a Julho de 1993.” Anthropologists such Antonio Sérgio Alfredo Guimarães have in fact highlighted the fact that racial violence is not as rare as one might think in Brazil[2].
The point that I am making is that Americans have been far more exposed to issues dealing with race and racism because the elites, leaders and forefathers of this country didn’t attempt to hide their racist ideals. In Brazil, on the contrary, everything was done to hide racist tendencies and policies even when the state actively supported them. Actual video and photos of lynchings, murders, police brutality and such has left an indelible imprint in the American psyche for at least the last half century. If a photo is worth a thousand words, imagine how these images have affected the minds of not only American citizens, but also people beyond North American shores. The question of race has never been hidden in American society. On the other hand, let us ask ourselves: if everytime a Rede Globo news program reported the murder of six kids in a morro in Rio and the word raça (race) was never mentioned, how would people interpret this data? Is it possible that people would imagine that these people were killed because they were possible thieves, drug dealers or just poor? Anything beyond the fact that they were non-white? Some people, while understanding that favelas are overwhelmingly non-white, will also revert to the argument that white people also live in the favelas. There are a few problems with these arguments.
SOURCES:
[1] Goldstein, Donna. Laughter Out of Place: Race, Class, Violence and Sexuality in a Rio Shantytown. University of California Press. November 2003.
[2] Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. “O insulto racial: as ofensas verbais registradas em queixas de discriminação”. Estudos Afro-Asiáticos, Vol. 38, Rio de Janeiro, 2000.
“Ou a sociedade é racista ou não é racista”, Frantz Fanon
Desde do ano 2000, tenho analisado comparativamente políticas raciais na América e no Brasil. Também li e participei de fóruns online e comunidades de debate onde as pessoas partilham as suas opiniões sobre vários temas. As opiniões que tenho desenvolvido ao longo dos anos representam uma combinação de influências de pessoas do quotidiano a bem conhecidos professores universitarios. Alguns dos meus postings neste blog são destinados a serem lidos como pedaços soltos de um tema comum, enquanto outros são obras que seram continuados ao longo de vários dias ou meses.

Iniciando este trabalho gostaria de responder a alguns emails e colocações que atraíram meu interesse e exigem uma resposta. Um leitor da Argentina escreveu (sob o título “uma resposta para o Sr Mark Wells) em resposta a uma de minhas publicações na coluna do fórum em dezembro de 2004. Citarei brevemente alguns dos seus argumentos (em itálico) e apresentarei minha resposta.
“apesar do racismo e estereótipos de pretos como preguiçosos e marginais, há sem duvida menos racismo no Brasil e na América Latina do que nos Estados Unidos, e você mesmo sabe porque : Jamais houve na América Latina, pelo menos que eu lembre, nada como a Ku Klux Klan, ou Skinheads neo nazistas. Também não ha massacre em massa de negros como havia nos Estados Unidos há algum tempo”.
Este é um ponto de vista comum que se encontra em toda a internet no Brasil e colunas de “cartas ao editor” de revistas assim como nesta coluna no Brazzil Fórum. Os brasileiros assim como, não brasileiros, freqüentemente apontam para o passado racista violento da América para justificar a crença de que o Brasil é uma sociedade mais harmoniosa. Antes de tudo, não se pode negar a violência da sociedade americana no passado e no presente, mas minhas comparações são baseadas no Brasil e na América do presente com o intuito de futura analise e interpretação dos fatos a partir do contexto histórico brasileiro. As duas opções serão discutidas.

Apesar da (reconhecida) violência racial e movimentos de direitos civis em massa existentes nos Estados Unidos e em menor escala no Brasil, argumento que descendentes africanos no Brasil e nos Estados Unidos ainda hoje ocupam, de certa forma as mesmas posições em seus respectivos paises. Digo reconhecida porque embora ninguém possa ignorar que a violência racista é parte da história americana, parece haver uma negação da sua existência na historia do Brasil. Historiadores brasileiros tem escrito extensivamente sobre a violência racial no Brasil mas os brasileiros continuam a acreditar que a escravidão e a vida pos-abolição dos brasileiros descendentes de africanos eram muito melhor do que a dos afro descendentes nos Estados Unidos. Donna Goldstein salienta que enquanto cientistas sociais brasileiros tem escrito extensivamente sobre desequilibrios raciais nas taxas de homicídios no Brasil “eles tem sido extremamente cautelosos sobre colocar raça como um fator determinante ou causa”[1]. Usando um exemplo de um ensaio de Luis Eduardo Soares, Claudia Milito e Helio R.S.Silva intitulado “Homicídios Dolosos Praticados Contra Crianças e Adolescentes no Estado do Rio de Janeiro-1991 a Julho de 1993.” Antropólogos como Antonio Sergio Alfredo Guimarães ressaltaram o fato de que a violência racial no Brasil não é tão rara quanto se pensa [2].

O ponto que desejo levantar é que os americanos tem sido muito mais expostos a assuntos ligados a raça e racismo porque as elites, lideres e pioneiros destes país não tentaram esconder seus ideais racistas. No Brasil, pelo contrário tudo foi feito para esconder as tendências e políticas racistas, mesmo quando estas eram ativamente apoiadas pelo governo. Vídeos de linchamentos, crimes, agressividade policial e tantas outras deixaram uma marca na mente americana pelo menos nos últimos cinqüenta anos. Se uma foto vale mil palavras, imagine como estas fotos tem afetado não só os cidadãos americanos mas também aqueles alem das fronteiras americanas. A questão da raça nunca foi escondida na sociedade americana. Por outro lado vamos nos perguntar: se em nenhuma das vezes que o noticiário da Globo relatou o assassinato de seis crianças em um morro no Rio e a palavra raça foi mencionada. Como as pessoas poderiam interpretar esta informação? Será possível que o público imaginasse que estas pessoas foram mortas porque fossem possíveis ladrões, traficantes ou simplesmente pobres? Qualquer coisa além do fato de não serem brancos?

Algumas pessoas, embora entendam que os moradores de favelas são na sua grande maioria não brancos, argumentaram que brancos também moram em favelas. Há alguns problemas com estes argumentos.
FONTES:

[1] Goldstein, Donna. Laughter Out of Place: Race, Class, Violence and Sexuality in a Rio Shantytown. University of California Press. November 2003.
[2] Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. “O insulto racial: as ofensas verbais registradas em queixas de discriminação”. Estudos Afro-Asiáticos, Vol. 38, Rio de Janeiro, 2000.

Whiteness as the Absense of Race/Brancura como a ausência da raça

March 3, 2008


In terms of race, in the past decade, it seems that the US and Brazil are moving in opposite directions. In the either/or, black/white racial ideology of the US, multiracial activists have argued for a multiracial identity and classification for people of mixed race. In multiracial Brazil, the Movimento Negro (Black Movement) has encouraged the acceptance of a black identity for millions of persons of color who have historically identified themselves as mulattos, morenos and pardos. In reality, there are several problems with both ideologies.

First, in both ideologies, the assumption is the existence of the idea of race. Whether one advocates a black or multiracial classification, they are both based on the fallacy of race. In reference to Brazil, the Movimento Negro has had difficulty in convincing the 40% of the country that define themselves as pardos to accept a black identity. In the US, the multiracial movement must ignore the fact that more than 80% of African-Americans are already racially mixed in order to advocate a separate category for those people who are supposedly first-generation mixtures of couples that are considered interracial.

In reality, the situation is not as complicated as it appears. Why? Consider this point. Let us consider that there are three people of mixed race who physically cannot pass for white and all three look exactly alike. Let’s assume the first person’s DNA mixture is 25% African, 75% European. The second is 50% African, 50% European and the third is 75% African, 25% European. If they all look alike, who is black and who is multiracial? In racist societies such as Brazil and America, it doesn’t matter because whiteness is the standard by which all three individuals will be judged.

The media is a good example of this standard. According to Carol Tator:

“Woven into the dominant culture, and the culture of most media organizations, is the belief in ‘the rightness of whiteness’ the universal norm which allows one to think, imagine and speak as if whiteness described the world. This assumption is still deeply embedded in the way in which the media represents people of colour…Their limited participation is seen as the result of both overt bias, structural barriers and cultural racism, which is woven into the collective system of beliefs, values and norms of the dominant culture.”

While Tator was describing the Canadian media, her words can easily be applied to the US and Brazil, in both of which the European aesthetic is the dominant standard. In the business world, government, television and magazines, people of color are largely invisible. This invisibility is perhaps even more striking in Brazil, a country that has proclaimed itself a racial democracy for many years and is home to the largest population of African descendants outside of Africa.

The bottom line is this: in a Eurocentric world, people don’t experience racial discrimination because of their European ancestry but because of their visible non-European ancestry. Whether in Brazil or the US, a person looking like golf superstar Tiger Woods can call himself multiracial is he so chooses. Although Woods may have African, Asian, American Indian and European ancestry, it is his non-European ancestry which makes him susceptible to racial exclusion.

One need only look at the top women’s magazines in each country to see how racial exclusion works. On US newsstands from January of 2006 to December of 2007, Cosmopolitan magazine featured only four women of color on the cover, one light-skinned black woman (singer Beyonce) and three light-skinned Latinas (actresses Eva Longoria and Jessica Alba and singer Christina Aguilera). The situation is far worse on Brazilian newsstands. Nova magazine featured no women of color on its covers in the last 29 issues, Boa Forma featured none over the past 59 issues and the Brazilian version of Elle magazine featured none over the past 37 issues. In other words, whether light, medium or dark-skinned, Brazilian women’s magazines rarely feature women of visible African ancestry on its magazine covers.

Thus, in the end, whether one is thought to be of predominant African ancestry or partial African ancestry, the result remains the same.

Em termos de raça na última década, parece que os EUA e o Brasil são se andando em direções opostas. Na ideologia racial e/ou, preto/branco nos EUA, ativistas multirraciais têm defendido uma identidade e classificação multirracial para as pessoas de raça mista. No Brasil multirracial, o Movimento Negro tem encorajado a aceitação de uma identidade negra para milhões de pessoas de cor que têm historicamente se identificado como mulatos, morenos e pardos. Na realidade, existem vários problemas com as duas ideologias.

Em primeiro lugar, em ambas as ideologias, o pressuposto é a existência da idéia de raça. Tanto quem defende uma classificação negro ou multirracial, estão baseados na falácia de raça. Em referência ao Brasil, o Movimento Negro tem tido dificuldade em convencer os 40% do país que definem-se como pardos a aceitar uma identidade negra. Nos EUA, o movimento multirracial ignora o fato de que mais de 80% dos afro-americanos já são racialmente mistos, para de defender uma categoria separada para as pessoas que são supostamente misturas de primeira geração de casais que são considerados interraciais.

Na realidade, a situação não é tão complicado como parece. Por quê? Considere este ponto. Vamos considerar que existem três pessoas de raça mista, que fisicamente não podem passar por brancas e as três parecem exatamente iguais. Vamos assumir que a mistura ancestral da primeira pessoa é 25% africana e 75% europeia. A segunda é 50% africana, 50% europeia, e a terceira é de 75% africana e de 25% europeia. Se todas elas parecem iguais, quem é negro e quem é multirracial? Em sociedades racistas, como o Brasil e os EUA, não importa, porque brancura é o padrão pela qual todos os três indivíduos serão julgados.

A mídia é um bom exemplo deste padrão. Segundo Carol Tator:

“Tecida na cultura dominante, e na cultura da maioria das organizações da midia, é a crença no ‘direito da brancura’ a norma universal que permite-se pensar, imaginar e falar como se brancura descrevesse o mundo. Esta suposição ainda está profundamente enraizado na maneira como a mídia representa as pessoas de cor… A sua participação limitada é vista como o resultado dos preconceitos dissimulados, obstáculos estruturais e racismo cultural, que é tecida no sistema coletivo de crenças, valores e normas da cultura dominante.”

Apesar de Tator ter descrevido a media canadense, as palavras podem ser facilmente aplicadas aos EUA e ao Brasil, em ambas as quais a estética europeia é o padrão dominante. No mundo dos negócios, governo, televisão e revistas, as pessoas de cor são invisíveis. Esta invisibilidade é talvez ainda mais evidente no Brasil, um país que tem se auto proclamado uma democracia racial há muitos anos e é o país com a maior população de descendentes africanos fora da África.

No final é a seguinte: em um mundo eurocentrista, as pessoas não experimentam discriminação racial devido à sua ascendência europeia, mas devido à sua visível ascendência não-europeia. Quer seja no Brasil ou os EUA, uma pessoa que parece com campeão de golfe Tiger Woods pode chamar-se multirracial se assim escolher. Embora Woods tenha ascendência africana, asiática, india e europeia, é sua ancestralidade não-europeia que o faz suscetível a exclusão racial.

Basta olhar para as mais popular revistas femininas em cada país para ver como funciona a exclusão racial. Nas bancas americanas de janeiro de 2006 a dezembro de 2007, a revista Cosmopolitan apresentou apenas quatro mulheres de cor nas capas, uma negra de pele clara (cantora Beyonce) e três latinas de pele clara (atrizes Eva Longoria e Jessica Alba e cantora Christina Aguilera). A situação é ainda pior nas bancas do Brasil. A revista Nova não apresentou nenhuma mulher de cor em suas capas nas últimas 29 edições, Boa Forma nao apresentou nenhuma nas últimas 59 edições e a versão brasileira da revista Elle apresentou nenhuma nas últimas 37 edições. Em outras palavras, seja pele clara, morena ou escura, revistas femininas brasileiras raramente apresentam mulheres de visível ascendência africana nas capas das suas revistas.

Assim, no final, seja algeum de predominante ascendência africana ou parcial ascendência africana, o resultado é o mesmo.

Lynchings/Linchamentos

February 27, 2008

Lynchings/Linchamentos

Most of us are familiar with the Jena 6 case of 2007. As there has already been so much written on the subject, I will only briefly cite a summary. At a high school in the city of Jena, Louisiana, three nooses were found hanging from a tree after a black student had attempted to sit under it after it had been designated “for whites only”.
In a chain of events connected to the nooses, six black students were charged with the beating of a white student who had used racist slurs in defending the students who had hung the nooses. While the black students were charged with attempted second-degree murder, white students, including those who hung the nooses and another who had pointed a gun at three black students in a store, were either not charged or given a slap on the wrist. The escalating tension caused by what was seen as blatant racism led to a huge rally and protest in Jena attended by tens of thousands of people from around the country.
What I want to focus on here is the symbolism behind the nooses. The noose is symbolic of a time in American history when African-Americans were being lynched by white Americans, sometimes for false charges but often times for no other reason except racial prejudice. What many of us don’t know is that in the years that lynchings were most prevalent, 1882-1968, 27.3% of all lynching victims (1,297 of 4,743) in the US were white. I point this out because when the issue is racism, many Brazilians will deny evidence of racism because of the existence of poor whites living in Brazil’s slums. It is also important to stress that the lynching of whites happened here in the US, the society that many Brazilians point to when they think of the best example of a racist society. The point here is: white poverty or white victimization does not prove that racism does not exist.
Another little known fact is that lynching is not a rare occurrence in Brazil. In a report that compiled 751 reports of lynchings or attempted lynchings between the years 1990 and 2000, 714 people were lynched, 312 fatally. And of the data in which the race of the victim was recorded, 75.6% of the victims were black. As the race of the perpetrators may not have been documented in each crime, there is no need to conclude that all of these cases were racially motivated, but the possibilities cannot be ruled out. In spite of the inevitable comparison to the US, it should be noted that the term lynching, or linchamento, had already been in use in Brazil in the 19th century. Lynchings were racially motivated but were also aimed at white protectors of blacks although blacks were the preferred target of lynchings. In a strange twist to the study of lynchings in Brazil, one also finds cases in which blacks participated in the lynching of other blacks.
In many lynchings that occurred in the US, blacks were accused of raping or sexually assaulting white women. Interestingly enough, in her research of these lynchings, civil rights and women’s activist Ida B. Wells found that many of the victims were lynched for having consensual sexual relations with white women.
Similarly, Brazilian society severely punished sexual relations between slave men and white women. According to historian Warren Dean, writing on Brazilian plantations systems between the years 1820 and 1920, “violence against the freed (slaves) was a daily thing, and when suspected of raping a white woman, they were lynched”. Worse still, many slaves were castrated for simply attracting the desire of the slave master’s wife or daughter.
Lynching and castration because of sexual relations or suspected sexual relations with white women? This sounds vaguely familiar.

Muitos de nós estamos familiarizados com o caso dos 6 de Jena de 2007. Como tanto já foi escrito sobre o assunto, vou apenas brevemente resumir. Numa escola de ensino medio na cidade de Jena, estado da Louisiana, três forcas foram encontradas penduradas em uma árvore depois um estudante negro tentou sentar-se sob ela que foi marcada “só para brancos”.

Em uma cadeia de eventos ligados à forcas, seis estudantes negros foram acusados do espancamento de um estudante branco que tinha usado insultos racistas na defesa dos estudantes que tinha pendurado as forcas. Enquanto os estudantes negros foram acusados de tentativa de homicidio, os alunos brancos, incluindo aqueles que penduraram as forcas e outro que havia apontado uma arma a três estudantes negros em uma loja, não foram acusados ou foram reprimidos muito levemente. A crescente tensão causada por aquilo que foi visto como racismo flagrante levou a uma enorme passeata de protesto em Jena formada por dezenas de milhares de pessoas de todo o país.
O que eu quero focar aqui é o simbolismo por trás das forcas. A forca é simbólica de uma epoca da história americana em que afro-americanos eram linchados por americanos brancos, algumas vezes por falsas acusações, mas muitas vezes por nenhum outro motivo senão o preconceito racial. O que muitos de nós não sabemos é que nos anos em que linchamentos foram mais prevalentes, 1882-1968, 27,3% de todas as vítimas (1297 de 4743) de linchamentos eram brancos. Estou apontando isso porque quando a questão é racismo, muitos brasileiros irão negar evidências de racismo por causa da existência de brancos pobres que vivem nas favelas do Brasil. Também é importante salientar que o linchamento de brancos aconteceu aqui nos Estados Unidos, a sociedade que muitos brasileiros apontam quando pensam no melhor exemplo de uma sociedade racista. A questão aqui é: a pobreza de brancos ou a vitimização de brancos não prova que o racismo não existe.
Outro fato pouco conhecido é que linchamentos não são uma ocorrência rara no Brasil. Em um relatório que compilou 751 relatórios de linchamentos ou tentativa de linchamentos entre os anos 1990 e 2000, 714 pessoas foram linchadas, 312 fatalmente. E dos dados em que a raça da vítima foi registrada, 75,6% das vítimas eram negras. Uma vez que a raça dos autores dos crimes não foram documentada em cada um deles, não podemos concluir que todos estes casos foram por motivos racistas, mas a possibilidade não pode ser excluída. Apesar da inevitável comparação com os Estados Unidos, deve-se notar que o termo linchamento já era utilizado no Brasil no século XIX. Linchamentos foram motivados por racismo, mas também foram destinados a brancos protetores de negros, embora negros teham sido os alvos preferidos de linchamentos. Em uma torção estranha ao estudo de linchamentos no Brasil, encntra-se casos em que negros participaram no linchamento de outros negros.
Em muitos linchamentos que ocorreram nos os Estados Unidos, negros eram acusados de estrupar ou violentar mulheres brancas. Curiosamente, em sua investigação destes lichamentos, a ativista de direitos civis e das mulheres Ida B. Wells descobriu que muitas das vítimas foram linchadas por terem relações sexuais consensuais com mulheres brancas.
Do mesmo modo, a sociedade brasileira severamente punia as relações sexuais entre homens escravos e mulheres brancas. De acordo com o historiador Warren Dean, que escreveu sobre o sistema de plantações brasileiro entre os anos 1820 e 1920, “a violência contra (escravos) libertos, era uma coisa diaria e, quando suspeito de violentar uma mulher branca, eles eram linchados”. Pior ainda, muitos escravos eram castrados por simplesmente atrair o desejo da esposa ou da filha do senhor de escravos.
Linchamento e castração por causa de relações sexuais ou suspeita de relações sexuais com as mulheres brancas? Isso soa vagamente familiar.

Sources/Fontes

Martins, José de Souza. “As condições do estudo sociológico dos linchamentos no Brasil”. Estudos Avançados. São Paulo: IEA-USP, 1995. v.9. n.25.

Souza, Lídio de e Menandro, Paulo Rogério Meira. “Vidas apagadas: vítimas de linchamentos ocorridos no Brasil (1990-2000)”. Revista psicologia política, São Paulo, v. 2, n. 4, p. 249-266, 2002.

The Charles Chestnutt Digital Archive. Berea College. “Lynching Statistics”. http://www.berea.edu/faculty/browners/chesnutt/classroom/lynchingstat.html

Warren Dean. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura (1820-1920). Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1977) cited in Uma História Não Contada: Negro, racismo e branqueamento em São Paulo no pos-abolição by Petronio Domingues (Editora Senac Sao Paulo, 2004)

Wormser, Richard. “Ida B. Wells forced out of Memphis” (1892). The Rise and Fall of Jim Crow: Jim Crow Stories. http://www.pbs.org/wnet/jimcrow/stories_events_wells.html

Blackout on the runway/Apagão na passarela

February 25, 2008
Allow me to say, I have never been a fan of Sean “P Diddy” Combs. Truthfully, I always wondered what it was that was so fascinating about the guy. Not much of a rapper. He doesn’t seem to care that people know he doesn’t write his own songs. I’ve seen plenty of better dancers. So what is it about Mr. Puffy? I mean Diddy….whatever. I find it fascinating how Hip Hop has evolved over the past 25 years. In the days of KRS-ONE, Chuck D. and Rakim, P. Diddy would have been laughed off the stage. Or perhaps thrown, for those of us that remember when KRS actually threw Prince B of Hip Pop duo PM Dawn from the stage after the hefty rapper had apparently dissed him. This is not the platform in which to debate Mr. Combs’ talents as an entertainer but rather to applaud a bit of activism Mr. Combs displayed last week.

Black models have always been a bit scarce in the fashion world, but with the triumphs of models such as Naomi Campbell, Tyra Banks and Iman over the past few decades, it appeared that models of color had quitely carved out their own little space in a lilly white fashion industry. But judging from last week’s complete “black out” in New York’s annual Fashion Week, it seems that black models are as scarce as Britney Spears’ panty collection. Campbell herself has been quite vocal in her outrage against the fashion industry’s recent Apartheid-like selection of runway models. After last week’s apparent “whites only” runway progression, superstar model Tyson Beckford wondered “What happened to all the black people on the runway?”

Similarly, just a month ago at Brazil’s Fashion Rio showcase, black model Alexandre Cerqueira asked, “Where are the blacks on Fashion Rio’s runways?” He answered his own question by stating something Brazil’s black models already knew: they are excluded. Although Afro-Brazilians are approximately half of Brazil’s 190 million citizens, one would think they were in Germany or Denmark judging from the models featured in Brazil’s biggest yearly fashion event. Reminiscent of the “sit-ins” of the Indian independence movement and American Civil Rights Movement, Cerqueira and 24 other black models, arms crossed, staged a protest in front of one of the fashion show’s tents.

“They put on 30 white models to parade on the runway, but only one black on the catwalk. Why can’t blacks dress in winter clothes in a winter campaign?”, asked model Katito. “We only want to work.” While Brazil has always claimed itself a “racial democracy”, its most popular model is Gisele Bündchen, who is of German descent. The majority of Brazil’s most popular models don’t stray far from the Bündchen phenotype. In São Paulo’s Fashion Week of
2001, 20 black models protested the “apagão (black out)” of black
models in Brazil’s other big fashion show.

In New York, Combs made a statement by featuring all black models at his annual Sean John Fall Fashion Show. The idea here is, if someone doesn’t invite you to their party, throw your own. It still amazes me when people like Adrianne Curry of “America’s Next Top Model” have the audacity to see a black TV channel or Black History Month as racist when history textbooks, TV programs and fashion runways continue to privilege white skin. Many white Brazilians see Brazil’s only magazine dedicated to it’s black population as racist even though one rarely sees black faces on the covers of Brazil’s top-selling magazines.

While I’m still not a “P. Diddy” fan, in this case, I applaud him for stepping up to the plate when the establishment would rather keep him on the bench.
Permita-me que lhe diga, nunca fui um fã de Sean “P Diddy” Combs. Na verdade, sempre me perguntei o que é que é tão fascinante sobre o cara. Não é um bom rapper. Ele não parece se importar que as pessoas saibam que ele não escreve suas próprias canções. Já vi muitos dancarinos melhores. Então, qual é a do Sr. Puffy? Quero dizer Diddy…. tanto faz. Acho fascinante como Hip Hop evoluiu ao longo dos últimos 25 anos. Nos dias de KRS-ONE, Chuck D. e Rakim, P. Diddy teria sido expulso do palco a base de gargalhadas. Ou talvez atirado, para aqueles de nós que lembram quando KRS realmente lançou Prince B do Hip Pop duo PM Dawn do palco após o pesado rapper ter aparentemente desrespeitado ele. Esta não é a plataforma para discutir os talentos de entretenimento do Sr. Combs, mas sim para aplaudir um pouco de ativismo Sr. Combs exibiu na semana passada.

Modelos negros sempre foram um pouco escassos no mundo da moda, mas com os triunfos de modelos como Naomi Campbell, Tyra Banks e Iman nas últimas décadas, parecia-se que modelos de cor tinham quietamente esculpido seu próprios lugarzinho em uma indústria da moda branca como os lirios. Mas, a julgar pelo completa falta de modelos negros na New York Fashion Week semana passada, parece que os modelos negros são tao escassos quanto a coleção de calcinhas de Britney Spears. A própria Campbell tem sido bastante vocal na sua indignação contra a recente seleção “Apartheidiana” de modelos de passarela pela indústria da moda. Após a apresentacao aparentemente “só para brancos” da semana passada, o modelo superstar Tyson Beckford perguntou “O que aconteceu com todos os negros na passarela?”
Da mesma forma, há um mês atras no Brasil, o Rio Fashion Week, o modelo negro Alexandre Cerqueira perguntou: “Onde estão os negros nas passarelas do Fashion Rio?”. Ele respondeu a sua própria pergunta afirmando algo que os modelos negros do Brasil já sabiam: são excluídos. Embora os afro-brasileiros sejam cerca da metade dos 190 milhões de cidadãos do Brasil, poderia-se pensar que estavam na Alemanha ou Dinamarca a julgar pelos modelos apresentados em um dos maiores eventos de moda no Brasil. Relembrando os protestos silenciosos do movimento da independência Indiana e do movimento dos direitos civis americanos, Cerqueira e 24 outros modelos negros, de braços cruzados, encenaram um protesto em frente a uma das tendas do evento de moda.
“Colocam 30 modelos brancos para desfilar num desfile, mas há apenas um negro por passarela.” Por que negro não pode vestir uma roupa de frio, na campanha de inverno?”, perguntou o modelo Katito. “Nós só queremos trabalhar”. Enquanto o Brasil sempre alegou ser uma “democracia racial”, a sua modelo mais famosa é Gisele Bündchen, que é de descendência alemã. A maioria dos modelos mais famosos do Brasil, não ficam muito longe do fenótipo de Bündchen. Em São Paulo Fashion Week de 2001, 20 modelos negros protestaram o “apagão”, de modelos negros no outro grande show de moda do Brasil.
Em Nova York, Combs fez uma declaração apresentando todos os modelos negros em seu Sean John Fall Fashion Show. A idéia aqui é, se alguém não o convida para uma festa, faça a sua própria. Me impressiona quando pessoas como Adrianne Curry de “America’s Next Top Model” têm a audácia de considerar um canal de TV ou o Mês da História Negra racista, enquanto os livros didáticos de história, os programas de TV e as passarelas da moda continuam a privilegiar a pele branca. Muitos brasileiros brancos veem a unica revista do Brasil dedicada à população negra como racista, embora raramente se veja um negro n capa das revistas mais vendidas do Brasil.
Embora eu ainda não seja um fa de “P. Diddy”, neste caso, eu o aplaudo tomar a iniciativa enquanto o sistema preferia tê-lo mantido no banco de reservas.

Racial Democracy/Democracia racial – Equal Opportunity/Igualdade de Oportunidade

February 21, 2008

Racial Democracy/Democracia racial – Equal Opportunity/Igualdade de Oportunidade

For many years it has been believed that in the Federative Republic of Brazil there exists a “Racial Democracy”. There are several reasons that people believe this:
1) With the level of miscegenation (race mixing) in Brazil, it is impossible to know who is black and who is white.
2) Legalized segregation as practiced in Apartheid era South Africa and Jim Crow era United States never existed in Brazil.
3) Blacks and whites live together harmoniously in Brazil.
4) In Brazil, there is only one culture whereas in the US, there is “black culture” and “white culture”.
In truth, citizens of many nations believe in the myths that act as the glue that keeps societies together. Americans believe in a “color-blind” society in which there is “equal opportunity”. Brazilians, on the other hand, believe in a “racial democracy” based upon the “Fable of the Three Races (A Fábula das Três Raças)”; the Indian, the Portuguese and the African, the foundation of the Brazilian people.
It has been well documented that in the United States, there exist the infamous “one drop rule” in which any person of any known African ancestry is considered black. African-Americans are familiar with several historical figures who could have “passed” for white if they so chose. Prominent examples include Walter White, an executive secretary of the NAACP (National Association for the Advancement of Colored People), politician Adam Clayton Powell, Jr. In Brazil, because of a comparatively higher rate of miscegenation, such a rule would label nearly the entire population as black. According to some estimates, at least 86% of all Brazilians carry at least 10% African DNA. Because of this deep history of miscegenation and its production of hundreds of different phenotypes, in the 1980 census, Brazilians used 136 different terms to describe their “race”, or better yet, color.
Many Americans who have studied the question of race in Brazil have concluded that there actually exists more than one hundred races in Brazil. The reason for this fallacious assumption is a racial ideology predicated on the “one drop” rule. In the US, a person can be classified as black even if they have blond hair and blue eyes if it is known that they have African ancestry. The truth is, in the 1980 census, Brazilians were allowed to use any term they thought best described their skin color. Color, not race. The key here is, in that census, Brazilians used terms such as “cor-de-canela (color of cinnamon)”, “moreno (brown, dark or brunette)”, and “café-com-leite (coffee with milk)” in the same ways that African-Americans use terms such as “caramel”, “mocha”, or “high yellow”. They were merely descriptions of skin tone. In more recent census studies, Brazilians chose from only five colors: “branco (white)”, “preto (black)”, “pardo (brown or mixed race)”, “amarelo (yellow or Asian)” and “indio (Indian)”.
———————————————————————————
Durante muitos anos, acreditou-se que existe no República Federativa do Brasil uma “democracia racial”. São várias as razões pelas quais as pessoas acreditam nisto:
1) Com o nível de miscigenação (mistura racial) no Brasil, é impossível saber quem é negro e quem é branco.
2) Segregação legalizada como na era praticado na África do Sul na era do apartheid e nos Estados Unidos na era Jim Crow nunca existiu no Brasil.
3) Negros e brancos vivem juntos harmoniosamente no Brasil.
4) No Brasil, há apenas uma cultura, em que nos E.U., existe uma “cultura negra” e uma “branca cultura”.
Na verdade, os cidadãos de muitos paises acreditam em mitos que funcionam como a cola que mantém sociedades unidas. Os americanos acreditam numa sociedade “cega para a cor” em que há “igualdade de oportunidades”. Brasileiros, por outro lado, acreditam em uma “democracia racial” que tem por base a “Fábula das Três Raças”, o índio, o Português e o Africano, a fundação do povo brasileiro.
É bem documentada a existencia da “regra da uma gota” nos Estados Unidos, em que qualquer pessoa que tenha mesmo que apenas um de seus ancestrais remotos com descendencia africana é considerado negro, independente da aparencia. Afro-americanos conhecem várias figuras históricas que poderiam ter “passado” por branco, se assim tivesse escolhido. Exemplos de figuras proeminentes incluem Walter White, um secretário executivo da NAACP (Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de cor), o político Adam Clayton Powell Junior. No Brasil, por causa de um nivel de miscigenação comparativamente maior, tal regra rotularia quase toda a população como negra. De acordo com algumas estimativas, pelo menos 86% de todos os brasileiros carregam pelo menos 10% de DNA africano. Devido a esta profunda história de miscigenação e da produção de centenas de diferentes fenótipos, no censo de 1980, brasileiros usaram 136 diferentes termos para descrever a sua “raça”, ou melhor ainda, a cor.
Muitos americanos que estudaram a questão da raça no Brasil concluíram que existe efetivamente mais de uma centena de raças no Brasil. A razão para esse pressuposto é a ideologia racial por base na “regra de uma gota”. Nos Estados Unidos, uma pessoa pode ser classificada como negra se tiver nem que seja um ancestral remoto de descendencia africana. A verdade é que, no Censo de 1980, foi permitido aos brasileiros utilizar qualquer termo que eles achassem melhor para descrever sua cor de pele. Cor, não raça. A chave aqui é, naquele recenseamento, os brasileiros usaram termos como “cor-de-canela”, “moreno”, e “café-com-leite”, da mesma forma que afro-americanos utilizam termos como “caramelo”,”mocha”, ou “amarelo”. Eram apenas descrições tom de pele. No censos mais recentes, os brasileiros escolhem a partir de apenas cinco categorias: branco, preto, pardo, amarelo (asiáticos) e indio.

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.