Archive for the ‘Hip Hop’ Category

Hip Hop, blackness and the influence of Malcolm X – Hip-Hop, negritude e a influência de Malcolm X

March 25, 2009



Many years ago when I began to learn about the struggle of Afro-Brazilians to achieve equality in a Brazilian society that treated them as second class citizens, I noted that many Brazilians of visible African ancestry were inspired by the leadership of black Americans like Malcolm X, Martin Luther King, Jr. and others. During the past several years, I have met many black Brazilians that have told me that the Autobiography of Malcolm X is what taught them about the realities of race and racial identity in the Western world. The 1992 film produced by Spike Lee and the autobiography as told to author Alex Haley inspired many black Brazilians to identify themselves as blacks and understand what that meant in a world that judges all citizens of the world according to a Eurocentric standard.

Malcolm X is also partially responsible for a rise in Brazilians of African descent becoming Muslims. Carlos Soares Correia was the former name of Honerê Al-Amin Oadq, the leader of a group of rappers and activists collectively known as the Posse Haussa. The name of the group was inspired by the 19th century Muslim slaves of Nigerian origin that revolted against the institution of slavery in the northeastern state of Bahia in Brazil. For the Posse Haussa, Hip Hop is used as a weapon to educate the people. In a similar manner as classic American Hip Hop artists like Public Enemy and X-Clan, Hip Hop provides the inspiration and history lesson that people of African descent will not receive in school. American rappers, are you listening?

Ha muitos anos quando comecei a aprender sobre a luta dos afro-brasileiros para conseguir a igualdade em uma sociedade brasileira que os tratou como cidadãos de segunda classe, notei que muitos brasileiros de ascendência visívelmente africana foram inspiradas pela liderança dos americanos negros como Malcolm X, Martin Luther King Jr. e outros. Durante os últimos anos, me encontrei muitos negros brasileiros que me disseram que a Autobiografia de Malcolm X é o que ensinou-lhes sobre as realidades de raça e identidade racial no mundo ocidental. O filme de 1992 produzido por Spike Lee e a autobiografia como disse ao autor Alex Haley inspirou muitos negros brasileiros a se identificarem como negros e compreender o que isso significa em um mundo que os julga de todos os cidadãos do mundo de acordo com um padrão eurocêntrico.

Malcolm X também é parcialmente responsável por um aumento de brasileiros de ascendência africana tornar-se muçulmanos. Carlos Soares Correia era o antigo nome de Honerê Al-Amin Oadq, o líder de um grupo de rappers e ativistas conhecidos coletivamente como o Posse Haussa. O nome do grupo foi inspirado no escravos muçulmanos do século 19 de origem nigeriano que revoltada contra a instituição da escravatura no estado da Bahia. Pela Posse Haussa, Hip-Hop é utilizado como uma arma para educar o povo. De maneira similar como artistas de Hip Hop americano clássico como Public Enemy e X-Clan, Hip-Hop fornece a inspiração e a lição de história da que gente de ascendência africana não receberão na escola. Rappers americanos, vocês estão ouvindo?

A New Year and the hope for the return of classic hip hop/Um Ano Novo e a esperança para o retorno do hip hop clássico

January 1, 2009


Parteum / Mos Def

It’s a new year! Happy New Year to all! I hope that 2009 brings a return to classic hip hop! With this wish, I present two of my favorite rappers, one American (Mos Def), one Brazilian (Parteum). For Americans who don’t understand Portuguese and Brazilians who don’t understand English, feel the flow of these two incredible MCs. The struggle continues!
É um ano novo! Feliz Ano Novo a todos! Espero que 2009 traga um retorno a Hip Hop clássico! Com este desejo, apresento dois dos meus favoritos rappers, um americano (Mos Def), um brasileiro (Parteum). Para os americanos que não entendem Português e brasileiros que não entendem Inglês, sente o flow destas duas MCs incríveis. A luta continua!

“Raciocinio Quebrado”, Parteum

“Ms. Fat Booty”, Mos Def

Mos Def meets MV Bill/Mos Def encontra MV Bill

December 28, 2008

The time has come for change in American Hip Hop/Chegou a hora de mudança no Hip Hop Americano

December 16, 2008

I will be dedicating a lot of my future posts to my most recent trip to Brazil, but right now, I want to comment on an interview with the American rapper Ja Rule that was recorded several months ago when the New York rapper arrived in Brazil for a concert. The interview featured Ja Rule responding to several questions asked by some of Brazil’s most popular rappers. The responses Ja Rule gave are symbolic of all that is wrong with American Hip Hop, or better yet, commercial rap, or what rapper One Be Lo calls “Hip Pop”. Below, read highlights of the interview.

MC MACARRÃO: Why did rap in the United States stop being challenging in order to be empty, that only talks about women, cars and money? Every woman is a ho, and the guy has to be super rich. What happened?
Ja Rule: Money. You know what else? For what am I gonna keep fighting against the government, against this or that? You know when I’ll win? Never. Instead of fighting I earn money from them. Sex sells. Just watch TV in Brazil. What do you see? Ass and titties. And funk from Rio, what is that? What the fuck are you talking about? What can I do? Keep bombing Bush? “Damned Bush, son of a bitch?” No one listens, people only want to relax, they elected Bush twice! Fuck that, I have to take care of me!

Nega Gizza: What do you expect to acheive with your lyrics?

Ja Rule: People don’t want to hear about politics, they want music that makes them shake their ass, dance and relax. If I get with a Brazilian MC, I’m gon’ say: where are you going? It doesn’t make sense to keep watching life pass by protesting. It’s necessary to pay bills and feed for your children.

THAÍDE: In what way can American rap contribute to the Brazilian and vice-versa? If it is, what do you think people can contribute….
Ja Rule: American hip hop is the base. There are guys that come from the ghetto, they were drug dealers and today they’re millionaires. You have to learn from them. This is a business, it’s not a joke. What can Brazilian Hip Hop teach us? I don’t know, you tell me. Put the two together on a scale and see who’s who. I know that we can do alot for Brazilians, but they have to change their attitude. They have to evolve, feel me? Because of this Hip Hop in the United States rules. It’s a billion dollar business, with movies, TV, clothes. Brazilian MCs have to do the same thing. They are not going to change the world or Brazil. How do you work without money? Hungry?
RAPPIN’ HOOD: There are a mass of people here working the community, playing for free. Why charge? R$30 is a lot of money for Rocinha*…

Ja Rule – By any chance do you do shows for free all the time? This is how I live. How can I come here to play for free? If it was something for UNICEF, the United Nations, I agree. Now, I need to know where the money is going because someone always gets it. Show me where it goes, especially here in Brazil, then I’ll do it.
What words can I use to summarize the comments of Mr. Jeffrey Atkins aka Ja Rule? Arrogant? Stupid? Condescending? Apathetic? All of the above? Let me acknowledge that once upon a time I loved Hip Hop. The poetry, the style, the imagination, the creativity, the love of art, the voice of an exlcuded people. But in the past seven years or so, my consumption of rap music has declined sharply. I rarely listen to radio stations that play rap music and there is very little rap music for which I am willing to pay full price. Hip Hop has become symbolic of the problem with America. It has become a victimof it’s own success. It is symbolic of the American obsession with crass materialism.

Twenty years ago, Hip Hop lyrics had substance. Some of it was educational. It offered real insight into the plight of the black American. It criticized a system that has never been fair. But today, even after September 11th, a war in which generations of Americans will continue to pay the costs and the worst economic recession that most of us have ever seen, and rappers of today continue to behave like the bafoons depicted in the Spike Lee’s film Bamboozled. In many American cities, only half (or less) of black students are graduating from High School. Nearly one of every four black Americans lives below the offical line of poverty. Black Americans are only 13% of the American population but 60% of new HIV victims and half of the prison population. But Ja Rule and others continue to present a world of fantasy, misogyny and senseless materialism in music videos that are often simply fantasy for even the rappers in them.
American rappers continue to refuse to accept any social responsibility for the images and lyrics that they create. “Don’t blame me! Look at the violence in Hollywoood movies” continues to be the typical response when rappers are criticized about the lyrics of their songs. There are problems with these excuses. First, Hollywood is wrong too. How many crimes do we need to see that seem to be directly influenced by what people see in movies? Second, research has shown that black children that watch a certain about of music videos are more likely to become sexually active, pregnant and perform poorly in school. The excuse for the social irresponsibility of rap lyrics is the same excuse for the creation of cigarettes and pollution that have proven to kill people and destroy the environment. But just because something sells doesn’t mean it should be sold especially after the consequences are proven.
Black music is often a good way to gauge the state of Black America.

In the 1950s, we had the Blues. In the 1960s, we discovered that black was beautiful and that it was time to demand our slice of the pie called the American Dream. In the 1970s, the music was about revolution and black love. In the 1980s, the music reflected the disappointment and failures of the promises and dreams of the 1960s. But even with the failure of the masses to achieve the dreams of MLK, some did manage to attain middle class status. The children of the Civil Rights and Black Power Movements became the Hip Hop Generation that articulated the frustration of the American nightmare in America’s inner city ghettos. In the 1990s, the music that was once rejected by the mainstream was suddenly appropriated by the mainstream to sell everything from shoes to fried chicken. Suddenly, rappers who rejected the mainstream that rejected them became spokepersons for American Capitalism. Soon, under the guise of “keeping it real”, it suddenly became fashionable to be ignorant.

Hip Hop had officially lost it’s relevance.

In Brazil and other countries throughout Latin America and the world, the force of Hip Hop is used to promote consciousness, self-esteem and community. In other words, Hip Hop in other countries is now what Hip Hop in America used to be. So no, Mr. Ja Rule, Brazilian rappers don’t need to learn anything from American rappers, victims yet symbols of American greed and a misguided belief in their superiority. Funny, this is exactly the same attitude racist white Americans viewed black Americans. So Ja Rule doesn’t think people want to hear about resisting government oppression.
In reality, because Americans are so accustomed to having everything, in some ways that is true. But I would ask Mr. Atkins: how long can a person drive a car blindfolded before her or she crashes into something? American Hip Hop today is nothing that Brazilians should imitate. It simply re-enforces individualism, hierarchy and complete alienation from the socioeconomic oppression at the root of its creation. Mr. Atkins, in your stupidity and arrogance, you and other rappers of your ilk have become a reflection of your current president. You remember, the most despised American president of all time. And like the eight years of his presidency, it is now time that change came to American Rap music.
* Rocinha is the largest shanty town in Brazil, located in te city of Rio de Janeiro
Eu vou estar dedicando um monte de lugares para o meu futuro minha mais recente visita ao Brasil, mas agora, eu quero comentar sobre uma entrevista com o rapper americano Ja Rule que foi gravado há muitas meses, quando o rapper Nova Iorquiano chegou no Brasil para um show. A entrevista apresentou Ja Rule respondando a várias questões perguntou por alguns dos rappers mais populares do Brasil. As respostas dados pelo Ja Rule são simbólicos de todos que está errado com o Hip Hop americano, ou, melhor ainda: rap comercial, ou o que o rapper One Be Lo chamou “Hip Pop”. Abaixo, leia destaques da entrevista.

MC MACARRÃO: Por que o rap nos EUA deixou de ser contestador para ser algo vazio, que só fala de mulher, carro e dinheiro? Toda mulher é piranha, e o cara tem que ser ricaço. O que houve?
Ja Rule – Dinheiro. Sabe do que mais? Para que vou ficar lutando contra o governo, contra este ou aquele? Sabe quando eu vou ganhar? Nunca. Em vez de lutar, eu ganho dinheiro deles. Sexo vende. É só assistir à TV no Brasil. O que se vê? Bunda, peito. E o funk do Rio, o que é? De que $@#% você está falando? O que eu poderia fazer? Ficar detonando o Bush? “Maldito Bush, filho da %$@#”? Ninguém liga, as pessoas só querem relaxar, elas elegeram o Bush duas vezes! Que se #@%$, tenho que cuidar é de mim!

NEGA GIZZA: O que você espera atingir com suas letras?

Ja Rule – As pessoas não querem ouvir falar de política, querem músicas que as façam mexer o traseiro, dançar, relaxar. Se eu encontrar um MC brasileiro, vou dizer: aonde você que chegar? Não dá para ficar sentado vendo a vida passar, fazendo protesto. É preciso pagar as contas, dar comida aos filhos.

THAÍDE: De que maneira o rap americano pode contribuir com o brasileiro e vice-versa? Se é que você acha que a gente pode contribuir…

Ja Rule – O hip hop americano é a base. Tem caras que vieram do gueto, eram traficantes ferrados e hoje são milionários. Você tem que aprender com eles. Isso é um negócio, não é brincadeira. O que o hip hop brasileiro pode nos ensinar? Não sei, me digam vocês. Ponham os dois juntos na balança e vejam quem é quem. Sei que podemos fazer muito pelos brasileiros, mas eles têm que mudar de atitude. Têm que evoluir, sacou? Por isso o hip hop nos EUA manda. É um negócio de bilhões, com filmes, TV, roupas. Os MCs brasileiros têm que fazer igual. Eles não vão mudar o mundo ou o Brasil. Como trabalhar sem grana? Com fome?

RAPPIN’ HOOD: Tem uma pá de gente aqui trabalhando na comunidade, tocando de graça. Por que cobrar? R$ 30 são muito para a Rocinha…

Ja Rule – Por acaso você faz show de graça o tempo todo? É disso que eu vivo. Como posso vir para cá tocar de graça? Se for algo do Unicef, da ONU, eu topo. Agora, preciso saber para onde está indo a grana, porque alguém sempre ganha. Prove-me para onde vai, especialmente aqui no Brasil, que eu faço.
O que palavras posso usar para resumir as observações do Sr. Jeffrey Atkins também conhecido como Ja Rule? Arrogante? Estúpido? Condescendente? Apáticos? Todas as anteriores? Deixe-me reconhecer que era uma vez eu amava Hip Hop. A poesia, o estilo, a imaginação, a criatividade, o amor do arte, a voz de um povo excluído. Mas no passado sete anos, aproximadamente, o meu consumo de música rap tem diminuído drasticamente. Eu raramente escuto estações de rádio que tocar música rap e há muito pouco de música rap que estou disposto a pagar preço máximo. Hip Hop se tornou símbolo do problema com a América. Tornou-se um vítima de seu próprio sucesso. É simbólico da obsessão americana com materialismo crasso.

Vinte anos atrás, letras de Hip Hop tinham substância. Alguns deles foram educacional. Ele ofereceu conhecimento real da situação do negro americano. Ele criticou um sistema que nunca foi justo. Mas hoje, mesmo depois de 11 de setembro, uma guerra que gerações de americanos vão continuar a pagar os custos eo pior recessão económica que a maioria de nós nunca ter visto, e os rappers de hoje continuam a comportar como os bufões retratada no filme de Spike Lee, A Hora do Show. Em muitas cidades americanas, apenas metade (ou menos) dos estudantes negros terminar escola secundária. Quase um de cada quatro negros americanos vivem abaixo da linha oficial de pobreza. Negros americanos são apenas 13% da população americana, mas 60% do nova vítimas de HIV e metade da população prisão. Mas Ja Rule e outros continuam a apresentar um mundo de fantasia, misoginia e materialismo sem sentido nos vídeos musicais que muitas vezes são simplesmente fantasia, mesmo para os rappers eles mesmos.
Rappers americanos continuam a recusar-se a aceitar qualquer responsabilidade social para as imagens e as letras que elas criam. “Não culpe-me! Olhe a violência nos filmes de Hollywoood” continua a ser a resposta típica quando rappers são criticada sobre as letras de suas canções. Há problemas com essas desculpas. Primeiro, Hollywood é errado também. Quantos crimes precisamos de ver que parecem estar diretamente influenciado por alguma coisa que as pessoas vê no cinema? Em segundo lugar, a pesquisa tem demonstrado que crianças negras que vêem um certa quantidade dos vídeos musicais são mais provável a se tornarem sexualmente ativas, grávidas e desempenhar mal na escola. A desculpa para a irresponsabilidade social das letras de hip hop é a mesma desculpa para a criação dos cigarros e poluição ave que ter provado a matar pessoas e destruir o meio ambiente. Mas simplesmente porque vende algo não significa que deve ser vendido, especialmente após as consequências são provadas.
Música Black é muitas vezes uma boa maneira de medir o estado de America Negra.

Na década de 1950, nós tínhamos o Blues. Na década de 1960, nós descobrimos que o negro era bonito e que era a hora de exigir nossos fatia do torta chamou o Sonho Americano. Na década de 1970, a música era sobre revolução e amor negro. Na década de 1980, a música reflectia a decepção e insucesso das promessas e sonhos dos anos 1960. Mas, mesmo com o fracasso das massas para alcançar os sonhos de MLK, alguns conseguiram atingir a status de classe média. Os filhos dos Movimentos Direitos Civis e Poder Negro (Black Power) tornou-se o geração de Hip Hop que articulam a frustração do pesadelo americano nos guetos do centro urbano decadente da América. Na década de 1990, a música que já foi rejeitada pela sociedade predominante foi de repente apropriados pela sociedade predominante para vender tudo, de sapatos de frango frito. De repente, rappers que rejeitou a sociedade predominante que os rejeitou tornou potra-vozes de capitalismo americano. Em breve, sob a disfarce da “mantendo-o real”, de repente foi legal ser ignorante.

Hip Hop tinha oficialmente perdido a sua relevância.

No Brasil e em outros países da América Latina e em todo o mundo, a força do Hip Hop é utilizada para promover o auto-conhecimento, auto-estima e comunidade. Em outras palavras, Hip Hop em outros países é agora o que Hip Hop na América costumava ser. Então, não, Seu Ja Rule, rappers brasileiros não precisam de aprender alguma coisa com rappers americanos, vítimas contudo símbolos da ganância americana e uma crença equivocada em sua superioridade. Estranho, esta é exatamente a mesma atitude racistas brancos americanos mantido contra negros americanos. Ja Rule Então não acha que as pessoas querem ouvir sobre resistência ao opressão do governo.

Na realidade, porque os americanos estão tão habituados a ter tudo, de certa forma, isso é verdade. Mas gostaria perguntar o Sr. Atkins: quanto tempo uma pessoa pode dirigir um carro olhos vendados antes ela ou ele colidir em alguma coisa? Hip Hop americano hoje não é nada que os brasileiros deveriam imitar. É simplesmente re-impõe individualismo, hierarquia e alienação completa da opressão socioeconômica na raiz de sua criação. Senhor Atkins, na sua arrogância e estupidez, você e outros rappers de seu mesmo tipo tornaram-se um reflexo de seu atual presidente. Você se lembra, o presidente americano mais desprezado de todos os tempos. E como os oito anos da sua presidência, agora é a hora que mudança chegar ao música hip hop americano.

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.